Arquivo do blog

Seguidores

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

O Brasão da família


Carta d´El Rey de Portugal concedendo o Brazão
“D. João

Por Graça de Deus Príncipe-Regente de Portugal e dos Algraves daquém e dalém mar em África Senhor de Guiné e da Conquista Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e da Índia. Faço saber aos que a esta Minha Carta de Brasão de Armas de Nobreza e Fidalguia virem, que Sebastião Rodrigues Sette e Câmara (sic), Cavaleiro Professo na Ordem de Cristo, e Capitão do primeiro Regimento de Cavalaria de Milícias da Cidade de Mariana, me fez petição dizendo que pela sentença de justificação de sua Nobreza a ele junta, proferida e assinada pelo Meu Desembargador Corregedor do Cível da Corte e Casa da Suplicação, o Doutor Joaquim Gomes Teixeira, subscrita por Joaquim Rebelo de Lima Aragão, que serve nos impedimentos do Proprietário Escrivão do mesmo juízo, se mostrava que ele é filho legítimo do Capitão Antônio Rodrigues Sette, e de sua mulher Dona Maria Joana Gonçalves. Neto paterno de João Rodrigues Sette e de sua mulher Dona Maria Francisca de Jesus e por parte materna de Sebastião Gonçalves da Câmara, e de Patrícia Luiza da Cruz. E que os ditos seus Pais e Avós são pessoas Nobres das famílias de Rodrigues, e Câmaras, deste Reino e como tais se trataram à Lei de Nobreza com muito fausto e grandeza sem que em tempo algum cometessem crime de Lessa Majestade Divina ou Humana; pelo que me pedia ele suplicante por Mercê, que para a memória de seus Progenitores não se perder, e clareza de sua antiga Nobreza lhe mandasse dar Minha Carta de Brasão de Armas das ditas famílias para delas também usar na forma que as trouxeram, e foram concedidas aos ditos seus progenitores. E vista por Mim a dita sua petição, sentença, e constar de tudo referido, e que a ele como descendente das mencionadas famílias lhe pertence usar e gozar de suas Armas, segundo Meu Regimento, e Ordenação da Armaria lhe mandei passar esta Minha Carta, de Brasão delas na forma que aqui vão Brazonadas, Divisadas, e Iluminadas com cores, e metais, segundo se acham Registradas no Livro do Registro das Armas da Nobreza, e Fidalguia destes Meus Reinos, que tem o Meu Rei de Armas Portugal. A saber Um escudo partido em pala. Na primeira as Armas dos Rodrigues que são em Campo de outro cinco flores de liz, fanguinhas postas em fautor, chefe desta cor carregado de uma cruz de ouro florida e vazia do campo. Na segunda para as Armas dos Câmaras, que são em Campo Negro uma Torre de Prata coberta com seu Corucheu que remata em uma cruz de ouro assentada sobre um monte de sua cor entre dois lobos rompantes também de ouro. Elmo de prata aberto guarnecido de ouro. Paquife dos metais e cores das Armas. Timbre dos Rodrigues que é um Leão de ouro nascente com uma das flores de liz do Escudo na espádua, e por diferença uma brica de prata com um trifólio verde. O qual Escudo e Armas poderá trazer e usar tão-somente o dito Sebastião Rodrigues Sette e Câmara, assim como as trouxeram, e usaram os ditos Nobres, e antigos Fidalgos seus Antepassados em tempo dos Senhores Reis Meus Antecessores, e com elas poderá entrar em Batalhas, Campos Reptos, Escaramuças e exercitar todos os mais atos lícitos da Guerra e da Paz.E assim mesmo poderá trazer em seus Firmais, Anéis, Sinetas, e Divisas, pô-las em suas Casas, Capelas e mais Edifícios, e deixá-las sobre sua própria Sepultura, e finalmente se poderá servir, honrar, gozar e aproveitar delas em tudo e por tudo como à sua Nobreza convém. Com o que Quero e me Praz que haja ele todas as Honras, Privilégios, Liberdades, Graças, Mercês, Isenções e Franquezas, que têm e devem ter os Fidalgos, e Nobres de antiga linhagem, e como sempre de tudo usaram e gozaram os ditos seus Antepassados. Pelo que Mando aos Meus, Desembargadores, Corregedores, Provedores, Ouvidores, Juízes e mais serventuários da justiça de Meus Reinos, e em especial aos Meus Reis de Armas Arautos e Passavantes e a quaisquer outros oficiais, e pessoas a quem esta Minha Carta for mostrada e o conhecimento dela pertencer, que em tudo a cumpram e guardem, e façam inteiramente cumprir e guardar como nela se contém, sem dúvida nem embargo algum que a ela seja posto porque assim é Minha Vontade. O Príncipe-Regente Nosso Senhor o mandou por Antônio da Silva Rodrigues, Cavaleiro de Sua Casa Real e seu Rei de Armas de Portugal, Francisco de Paula Campos, Escrivão da Nobreza destes Reinos e suas Conquistas a fez em Lisboa aos sete dias do mês de Setembro do Ano do Nascimento de Nosso Senhor JESUS Cristo, de mil oitocentos e sete.

(Manuscrito). Eu, Francisco de Paula Campos a fiz e subscrevi.

Rei de Armas de Portugal

3 comentários:

  1. Incrível como nossa família tem história
    Sou Bruno Silva Sette

    ResponderExcluir
  2. Sendo designer, você deveria, é meu conselho apenas, desenhar corretamente o brasão de armas de sua família - Sette e Câmara -, de acordo com a Carta de armas passada por D. João (VI).

    Na leitura, detectei alguns erros (refiro-me somente à descrição das armas: «flores de lis, fanguinhas». Erro de leitura do manuscrito: fanguinhas, i.e., 'sanguinhas = cor de sangue = vermelhas'; «postas em fautor», i.e., 'postas em sautor = em X = cruz de Santo André = à disposição dos besantes nas quinas da bandeira de Portigal'.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahaha! Marcolino, peguei em um livro isso! Se queres melhor pode fazer que eu publico, criticar é fácil! Já fazer!!! Fica na paz Dr.!

      Excluir